A Revista Gênero na Amazônia nasceu da necessidade de registrar os estudos e pesquisas que são realizados neste espaço socio-regional e de promover o progresso das ciências humanas, fomentando o debate sobre a situação das mulheres e relações de gênero em diferentes manifestações e enfoques teórico-metodológicos, numa perspectiva inter e multidisciplinar.

Desde julho de 2012, em seu primeiro número, a Revista tem apresentado artigos de diferentes assuntos, uns tratando de políticas públicas e gênero, outros ajudando a problematizar a noção de sujeito universal e mostrando o caráter hierárquico e assimétrico subjacente à construção de feminilidades e masculinidades. As marcas sociais introduzidas nas matérias evidenciaram a multiplicidade de práticas e representações de mulheres e homens, pautada em diferenças étnicas, raciais, classe social, geração, sexualidade, orientação religiosa, pontuando a interseccionalidade como ferramenta metodológica para explicar a atuação dos demarcadores sociais.

Este olhar multivariado de imagens agregando estudos na perspectiva de gênero aponta para as maneiras singulares de pesquisadoras/es reverem suas teorias e apreenderem, através de seus dados, a ressignificação das vivências de homens e mulheres que circulam em múltiplas “estradas” desta região e alhures. Ao aplicarem suas metodologias de análise, têm procurado extrair de um mapa mundial de teorias sociopolíticas-antropológicas, da literatura, da educação, das ciências exatas e naturais etc., em seus objetos de estudo, o motivo central desses desenhos.

A Revista Gênero na Amazônia não pretende ser uma obra fechada de e sobre a situação das relações de gênero na região amazônica, mas espera despertar a atenção da comunidade brasileira para a significativa produção acadêmica que circula no território mundial do qual fazemos parte.

▲ Ir para Topo